Gestão financeira da oficina mecânica: 5 dicas para fazer corretamente

Quem tem um negócio sabe que um dos maiores desafios é a gestão do fluxo de caixa. Dependendo da atividade e do fluxo de trabalho, não é tão simples administrar a movimentação financeira enquanto há clientes para atender e serviços a serem executados, como no caso das oficinas.


E como fazer a gestão financeira da oficina?

Pensando nisso, elaboramos cinco dicas para ajudar você com as finanças da oficina. Continue a leitura e descubra alguns dos pontos principais da gestão financeira do seu negócio!


1 – Registre toda a sua movimentação financeira

Independentemente dos valores recebidos, para um acompanhamento eficiente das finanças da oficina, é fundamental que todos eles sejam registrados.


Dependendo do faturamento e do fluxo de trabalho da oficina, é importante ter um sistema automatizado que realiza essa tarefa. A informação dos dados financeiros, sejam eles recebimentos, pagamentos de fornecedores, impostos, e vários outros, é uma importante aliada da gestão financeira. Ela permite que você ganhe tempo ao não precisar fazer planilhas manuais, e dispensa a guarda física de muitos documentos, o que torna a rotina financeira muito mais prática.


2 – Acompanhe diariamente o fluxo de caixa da oficina

É muito importante que o caixa da oficina seja acompanhado diariamente. Isso significa fazer o fechamento dos custos e receitas todos os dias, de preferência ao final do expediente.


Saber qual foi a movimentação financeira do dia é fundamental para que você possa programar adequadamente o seu fluxo financeiro. Dessa forma, é possível identificar quais itens estão influenciando mais nos custos, para que se possa avaliar de que forma eles podem ser reduzidos. Quando esse acompanhamento não é feito, muitas vezes é preciso recorrer a bancos ou mesmo colocar dinheiro próprio na operação para arcar com gastos imprevistos que acontecem quando falta controle.


3 – Considere no fluxo de caixa somente os valores já recebidos

Um dos erros que muitos empreendedores cometem com certa frequência é considerar toda a receita de vendas no seu fluxo de caixa.


Uma venda realizada só vai virar dinheiro depois de efetivamente recebida. Isso parece óbvio, mas, na hora do controle financeiro, é necessário prestar muita atenção a essa diferença, e não incluir no fluxo de caixa valores que ainda não foram pagos pelos clientes.


Por melhor que seja o seu controle de contas a pagar e o histórico de recebimento dos seus clientes, sempre haverá o risco de inadimplência. E, quando você considera no fluxo de caixa valores ainda não recebidos, está distorcendo a sua posição financeira.


Isso significa que, se você contar com recursos ainda não recebidos para pagar determinada obrigação (como impostos ou fornecedores, por exemplo) e o cliente atrasar o pagamento, você precisará recorrer a bancos ou às suas reservas pessoais para liquidar o seu compromisso. Caso contrário, será você quem ficará inadimplente.


Por isso, tome o cuidado de excluir vendas ainda não recebidas do seu fluxo de caixa, mesmo que o seu recebimento esteja praticamente certo.


4 – Faça um bom controle de estoques

Um dos itens mais importantes para oficinas e comércio de autopeças é